O que é a MFL 2010

"Coisa boa a gente gosta"  Perebah e Jair
“Quem não deve não treme”  Popular

A relevância de um evento como a MFL, que nasceu não apenas para entreter, mas principalmente para exibir e pensar os filmes livres que estão sendo feitos por aís, está em valorizar tais filmes que buscam e acham o velho no novo e também, como não, o novo no velho.

Hoje não há mais desculpa: As dezenas de cineclubes e pontos de cultura que promovem atividades audiovisuais, a web que muda o mundo e os crescentes avanços tecnológicos na captação e na difusão (transmissão) de conteúdos, apontam que o "fazer cinema" virou "fazer audiovisual", algo bem mais simples, barato e acessível. Claro, não estamos aqui falando de um cinema pra lotar as salas Brasil adentro, aqui se fala de um cinema, ops, um audiovisual, antes acessível a poucos, hoje possível a muitos. É simples sacar – basta perceber as diferenças, em todos os níveis, de um filme feito com milhões de moedas para arrecadar mais milhões, quais interesses e compromissos tal filme visa, e algo feito por amor e/ou com tesão, do tipo “experimentar fazendo", usando a linguagem audiovisual para refletir idéias que podem até render moedas. O desequilíbrio de poder entre o comércio e a cultura audiovisual sempre foi e segue sendo um fato, porém a diferença, antes imensa, tem diminuído. É uma cena já prevista e que hoje se desenrola também com a nossa ajuda.

Um dos papéis da MFL é acelerar este processo, tornando mais populares os filmes livres. Assim, os 37 filmes em competição e as obras de José Sette e Camilo Cavalcante exemplificam bem o que queremos valorizar na mostra do filme livre, a saber: filmes que buscam não apenas imensas e improváveis bilheterias, mas o pensar sobre as pequenas e as grandes questões que afligem o ser humano desde as cavernas, sejam estéticas e/ou políticas, técnicas e/ou em seus modelos de produção.

E em sua nona edição a MFL volta a fazer, depois de quatro anos, uma oficina de vídeo, ação relevante para lembrar que antes de ir para uma sala escura, cinema é vida, é rua, é prazer pelo registro dos movimentos, nem que seja o mover do nada.

Filme Livre você também!

Guiwhi Santos
WSET Multimídia
 


 

O Centro Cultural do Banco do Brasil realiza, a partir de 23 de março, a MOSTRA DO FILME LIVRE 2010 – 9ª Edição (MF 2010). Criada e organizada pela WSet Multimídia, a MFL 2010 abre o calendário dos festivais de cinema e vídeo no Rio de Janeiro e fica em cartaz até 8 de abril, no CCBB, Rua Primeiro de Março, 66. A exibição de filmes tem entrada franca e as senhas devem ser retiradas uma hora antes da sessão.

Guilherme Whitaker, idealizador, curador e organizador da mostra conta que “a 9ª edição da MFL2010 recebeu 515 filmes, em formatos e gêneros diversos. Selecionamos 219 títulos - sendo que 37 estarão concorrendo ao troféu “Filme Livre!”, criado pelo UMBIGO GROUP (.) . As sessões serão nas salas de cinema do CCBB e em outros espaços como cineclubes e associações de cinema que este ano chegam a oito espalhados pela cidade, Baixada e Niterói”. Whitaker acredita ainda que “a expectativa de 2010 é receber nas duas semanas seis mil espectadores”.

Os dois grandes homenageados da 9ª edição da MFL 2010 são os cineastas José Sette (MG) e Camilo Cavalcante (PE). Serão exibidos seis longas e diversos curtas de José Sette, os destaques sendo a cópia restaurada, em digital, do raro "Um filme 100% Brazileiro", de 1985 e a pré-estréia de seu último longa "Amaxon", com Vera Barreto Leite e Otávio III. Também ganhará uma retrospectiva completa o pernambucano Camilo Cavalcante. Ambos estarão presentes na primeira semana da MFL 2010, participando do júri e do debate “Experiências”.

A MFL 2010 é um projeto pioneiro no País e mantém como principal objetivo a divulgação da produção audiovisual independente, exibindo obras feitas em todos os suportes (VHS, Beta, DV Cam, HD, 35 mm, 16 mm, entre outros), formatos (curta, média e longa metragens), de todos os gêneros (ficção, documentário, animação e experimental) e, de qualquer ano de produção. Para Guiwhi “é uma mostra única no Brasil, já que não faz restrições de espécie alguma com relação às obras inscritas. A curadoria busca a cada ano selecionar as obras que possuem maior diferencial de linguagem.”

Por seu caráter multidisciplinar, a MFL 2010 procura atingir o maior número de pessoas, das mais diversas classes e faixas etárias. Os debates, oficinas e sessões comentadas permitem o aprofundamento das relações entre realizadores, público, pesquisadores e empresas do ramo, estimulando o pensamento e a livre iniciativa, e inserindo a MFL no panorama cultural da cidade como o evento audiovisual mais democrático do Brasil.

DESTAQUES DA PROGRAMAÇÃO:

. Homenagem a José Sette - Pré-estréia de "Amaxon", com Vera Barreto Leite e Otávio III e exibição da cópia restaurada em digital da comédia "Um filme 100% Brazileiro", de 1985, com Paulo Cesar Pereio, Odete Lara, Maria Gladys e Wilson Grey, entre outros curtas e longas. Presença do diretor.
. Homenagem a Camilo Cavalcante - Retrospectiva dos 13 curtas-metragens com presença do diretor.
. Troféu FILME LIVRE – A peça, feita com tralhas, é disputada por 30 curtas e 7 longas. Serviços audiovisuais de diversos parceiros da MFL também são ofertados nas categorias FILME LIVRE, OFICINANDO e CARÍSSIMA LIBERDADE.
. Longas em pré-estréia- Exibição de “Mergulho” (RJ,2009), roteiro e direção de Pedro Henrique Ferreira. Com João Vitti e Arduino Colassanti e “Rumo” (CE, 2009, 68min), direção, produção e edição dos Irmãos Pretti.
. Homenagem aos 25 anos de “Areias Escaldantes”- Comédia/Policial/Musical com Regina Casé, Luiz Fernando Guimarães e Diogo Villela. Roteiro: Nelson Motta e Francisco de Paula. Presença do diretor.
. 12 sessões em vídeo - No cinema 2 do CCBB, 63 filmes, inclusive 2 longas.
. Lançamento do Guia dos Festivais 2010 – Bate-papo e lançamento do Guia.
. Oficina de vídeo “Liberte seu Cérbero”- Inscrições abertas até dia 15 de março. Será realizada durante a MFL 2010 e tem o cineasta Christian Caselli e o coletivo Cérbero, como professores. Os filmes feitos serão exibidosna MFL.
. Sessão LGBT – Sessão sexuada especial no Odeon.
. Circuito ASCINE de cineclubes- Oito cineclubes conectados com a mostra e exibirão filmes na cidade do Rio de Janeiro, Baixada e Niterói.
. Sessão e Feijoada ABDEC – Mais uma vez a Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-metragistas – RJ, faz uma sessão com curtas locais, um debate e uma feijoada zensacional. 
. Mostrinha Livre- Sessões para a garotada nos fins de semana, sempre as 14h.
. Clássicos do CTAV – Clássicos do acervo do Centro Técnico Audiovisual , www.ctav.gov.br. 
. Mundo Livre - Curtas feitos por brasileiros no exterior e por estrangeiros no Brasil. 
. Sessão Invisível - Alguns dos filmes rejeitados pela curadoria numa sessão super animada onde o público apita e o FWD funciona pra valer. 

. Noite Livre – Festa multimídia com exibições alternativas, vídeoinstalações, performances, bandas, DJs e muito mais, claro.

Em suas oito primeiras edições a MFL exibiu 2.050 filmes para um público superior a 30 mil pessoas de todas as idades, profissões e interesses. Mais informações, vídeos, fotos e toda a programação das edições anteriores da MFL estão no site www.mostralivre.com. Centenas de vídeos relativos ao evento também estão no canal MFL no www.youtube.com/mostradofilmelivre

A Mostra do Filme Livre faz parte do Fórum dos Festivais – WWW.forumdosfestivais.com

SERVIÇO
MOSTRA DO FILME LIVRE 2010 – 9ª edição
Exibição de 213 filmes em diversas categorias e atividades paralelas.
Coordenação geral: Guilherme Whitaker
Centro Cultural Banco do Brasil
Rua Primeiro de Março, 66 – Centro - RJ
Tel: (21) 3808-2020
www.bb.com.br/cultura
Abertura: dia 22 de março, às 19h, para convidados.
Eventos e sessões abertos ao público de 23 de março a 8 de abril de 2010.
Entrada franca, com retirada de senha uma hoara antes das sessões
Acesso para deficientes
Metrô: Uruguaiana
Programação completa: www.mostralivre.com

Assessoria de imprensa

Liliane Schwob e Eli Rocha
(21) 2547-4953 / 9124-4558 / 9179-4763
schwob@terra.com.br e emr@terra.com.br
 


No mundo em geral e no Brasil em particular é crescente a quantidade de eventos audiovisuais, de todos os tipos, formatos, durações e propostas. Vai sempre existir uma mostra ou festival que tenha a ver com seu filme!!!.  Mas aceitar filmes de todos os formatos, gêneros, durações e feitos em qualquer época é coisa que só a Mostra do Filme Livre faz, também por isso é considerada a mostra mais democrática do Brasil.  

Em suas oito edições anteriores a MFL exibiu filmes para 30 mil pessoas, seja em seu evento completo, no Rio de Janeiro, seja em sessões itinerantes ocorridas em São Paulo, Minas Gerais, Paraná e no Maranhão.

A MFL aceita filmes de TODAS AS ÉPOCAS, já que arte não tem prazo de validade, então que filmes de qualquer idade podem participar da MFL, onde concorrem aos prêmios normalmente, como se fossem novinhos em folha. Aceita filmes de TODAS AS DURAÇÕES, de curtas de menos de 1 min. até longas, sem esquecer os médias. E filmes de TODOS OS GÊNEROS – filmes experimentais, documentais, ficcionais, animados e/ou qualquer outro que venha a existir, podem se inscrever.  E filmes de TODOS OS FORMATOS – tanto faz se foi feito em VHS, celular, Mini-Dv, DVD, Beta, 16mm, 35mm, HDV, Super8, etc., na MFL todos têm espaço.Ahh, ela ainda valoriza os filmes INDEPENDENTES (do Estado), tais filmes realizados sem verba pública concorrem ao troféu “Filme Livre”. Os filmes feitos com apoio estatal concorrem ao troféu “Caríssima Liberdade”.

“A característica ímpar da MFL”, explica o curador Guilherme Whitaker, “é a valorização de filmes independentes, ou seja, feitos sem apoio estatal - 90% dos inscritos e selecionados são livres (do Estado)."

Apesar da preferência por filmes livres do estado, obras que tenham sido feitas com recursos públicos podem se inscrever normalmente e os selecionados concorrem ao troféu ’Caríssima Liberdade’. Já os filmes livres concorrem ao troféu ‘Filme Livre’ e ‘Oficinando’, este focado aos filmes feitos em escolas, oficinas e cursos audiovisuais.

Assim, os filmes inscritos são vistos pela curadoria do evento e os selecionados (cerca de 250 filmes) participam dos Panoramas Brasil e/ou de sessões especiais como as tradicionais:

´Mundo Livre`, para filmes feitos por brasileiros no exterior ou por estrangeiros no Brasil

´Pílulas`, com filmes de até 3 minutos

´Infantil`, com filmes de temática infantil

´Invisível`, com filmes rejeitados pela curadoria

O evento também faz retrospectivas especiais e homenagens para pessoas e ações que fizeram e/ou fazem filmes livres (mesmo que nem saibam disso). Já foram homenageados na MFL os cineastas Fernando Spencer (PE), Eliseu Visconti, Luiz Rosemberg Filho, Andrea Tonacci (SP), Helena Ignez, Joel Pizzini e Sergio Ricardo, além de uma sessão especial do documentarista holandês Johan Van Der Kueken, em 2005. As produtoras e ou movimentos já destacados foram: Mosquito (MG), PEPA (RJ), RAÇA (RJ), A Organização (RJ), Canibal (SC), Circuito ASCINE de Cineclubes (RJ), Feijoada ABDEC-RJ, Angu TV (RJ), CMI (Centro de Mídia Independente) , Curta o Curta, Nem só o que anda é móvel (MG), A produtora (MG), Tv Morrinho (RJ), Paulo Halm (RJ), Plus Ultra (RJ), Lançamento do Guia dos Festivais (SP), Godot Quincas, Philippe Barcinski (SP) Cinema de Poesia (RJ), Cavídeo (RJ), Arquivo Nacional (RJ), Cinema Sensível (PR), Cachaça Cinema Clube, Eduardo Nunes (RJ), Petter Baiestorf e Nilson Primitivo.

Em 2009 a MFL exibiu 370 filmes no Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro, onde nasceu em 2002.

Então se você faz filmes que tenham a ver com as patotas aí de cima, filmes que fogem do lugar-comum, com certezas o seu lugar é na MFL 2010!  Participe!!! A hora sempre foi agora!

Félicidades,

Equipe MFL




› MFL na Rede
Flickr Orkut Youtube
Twitter rss

› Mais sobre a MFL
 • Programação
 • Festa Livre
 • Notícias e textos
 • Apoios e Premiação MFL 2010
 • Vídeos
 • Fotos
 • MFL's Passadas
 • Equipe
 • Fale conosco


› Busca no site MFL



Realização
Patrocínio e Realização
         
Promoção









© mostra do filme livre 2010 | Desenvolvimento rivello.net